terça-feira, setembro 23, 2008

Avós

.






Há dias já deveria ter postado este texto que a Ana me mandou por e-mail. É da Marta Sousa Costa e eu achei muito legal:





Na condição de avó iniciante, fui apresentada à crônica "A arte de ser avó", de Rachel de Queiroz.
"Netos são como heranças; você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu" _ comecei a ler, concordando em gênero e número. "Mais filho que o filho mesmo", Rachel assegura, já me fazendo franzir a testa, levemente intrigada. "Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um menino seu que lhe é "devolvido". Epa! Ali estaquei, surpresa.
Filhos são feitos para crescer e se lançarem ao mundo, não para nos serem devolvidos, envoltos em cueiros.


Mas, implacável em seu desmesurado amor de avó, a escritora extrapola, falando no "entrave maior, a grande rival: a mãe". Compara mãe e avó aos papéis de esposa e amante, nos triângulos amorosos: a mãe colocada na posição de educadora e megera, a avó como a confidente, a que tudo permite e concede. Imagino uma geração de mulheres fortalecidas em sua posição de avós pelo consentimento recebido da grande escritora. Mães e filhas, sogras e noras trocando farpas e lançando faíscas, na disputa pelo espaço maior no coração de algum guri esperto e observador, pronto a tirar proveito da situação.
Rachel de Queiroz me perdoe. Sendo a mulher inteligente que era, não acredito que tenha sido o tipo de mãe, avó ou sogra por ela apregoado na crônica que, como página literária, está muito boa. Como ensinamento para bem-viver, contudo, deixa muito a desejar.


Continue lendo aqui. E leia o texto original da Raquel de Queirós, aqui.


.

7 comentários:

Meire disse...

Eu ja tinha este texto da Raquel, e nao sei pq na tinha gostado, agora eu sei o q nao me agradou.

Bjs

Ana disse...

É bom re-pensar estes papéis ditos sagrados, que tentamos desempenhar da melhor forma, na maternidade, na amizade, no amor...
Não precisamos repetir os erros, graças a Deus!

Ana disse...

O link direto para o post é esse:
http://martasousacosta.blogspot.com/2008/09/rachel-de-queiroz-me-perdoe.html

Beijoo!

Carlos Emerson Jr. disse...

Na verdade, os tempos mudaram e aquela visão antiga da avó também! Aliás, mudou tudo mesmo, o mundo ficou completamente doido, não é mesmo ??
E minha única neta, até o momento, é a Maria Filomena, uma daschund muito da sem-vergonha!!!
Um beijão.

Luci Lacey disse...

Rosa

Fui avo aos 36 anos, pouco antes de completar 37 e minha filha, mae aos 17 anos, nem sei dizer o que fui na epoca que meu netinho nasceu, acho que fui mais mae do que avo.

Hoje Guilherme, tem 13 anosum amor de menino (coruja nao kkkk, mas ele e um bom menino sim)

Mas, avo e mais light sim, quando somo pais, temos muita pressao da vida, do casamento, da familia, e quando somos avos, somos mais maduras para compreende-los.

Beijinhos

disse...

Sou vovó também e amo ser vovó do Mateus.
Mas a Raquel deixou muito a desejar nesse texto. concordo com você.
Ser vovó é tudo de bom, mas respeito muito minha nora e meu filho na hora que els estão educando o Mateus, fico só nos bastidores, afinal quem passa 24 horas com ele são eles, e eu também não gostova quando meus pais ou sogros se entrometiam na minha educação.
Beijos de boa semana!
Rô!

Oliver Pickwick disse...

Não ligue para a Rachel, Rosa! Ela não tinha Dó Ré Mi no sobrenome.
Um beijo!

 
^