sábado, junho 18, 2016

Receitas juninas (só porque é junho...)

.



As duas primeiras receitas são minhas, a de doce de abóbora e a cocada são bem como faço. As fotos são do Google e os comentários foram conservados, pois já tinha postado antes.



Arroz-de-leite


Cozinhar:
1 xícara de arroz
em 1 1/2 litro de leite
1 pitada de sal

Acrescentar:
1 lata de leite condensado
½ litro de leite quente

Deixar ferver um pouco e, se precisar, colocar mais leite.
O arroz tem que ficar bem solto no leite.
Quando tiver bem cozido, retire do fogo e acrescente 4 gemas passadas na peneira
Volte ao fogo para engrossar.
Retire novamente, deixe resfriar e coloque1 lata de creme de leite
Sirva em taças e polvilhe canela em pó.

Dá pra diversificar o sabor, colocando canela em rama ou raspas de casca de limão enquanto cozinha o arroz.
Um dos meus filhos gosta de colocar calda de açúcar queimado em vez de polvilhar canela em pó.



Canjica cremosa





Ingredientes:
1 xícara de canjica
1 1/5 litro de leite
1 lata de leite condensado
3 ou 4 gemas
1 canela em pau

Modo de Preparo:


Coloque a canjica de molho em água fria por 8 horas. Escorra e coloque em uma panela juntamente com o leite.
Adicione o pau de canela e leve à fervura em fogo baixo para que os grãos fiquem macios. Teste e, se estiver no ponto, adicione o leite condensado.
Ferva novamente para encorpar o líquido. De uma batida nas gemas e passe na peneira, acrescente ao desligar o fogo.
Sirva quente salpicando com canela em pó.




Doce de abóbora





Ingredientes:
1 kg de abóbora descascada
1 colher (sopa) de cal virgem para uso culinário
4 xícaras de açúcar
2 xícaras de água
12 cravos-da-índia
1 canela em pau

Modo de Preparo:


Corte a abóbora em cubos de 3 cm. Desmanche a cal em

2 litros de água fria e despeje sobre as abóboras.

Deixe descansar por 2 horas. Escorra e elimine a água. Lave

os pedaços de abóbora em água corrente por 2 ou três vezes.

Coloque o açúcar e a água em uma panela e leve

à fervura. Adicione os cravos e a canela. Fure, de leve, os pedaços de abóbora para que a calda penetre. Coloque-os na panela.
Ferva em fogo baixo para que eles fiquem firmes porém macios.
Retire-os com uma escumadeira e coloque em uma compoteira. Reduza a calda até o ponto de fio e despeje sobre as abóboras. Deixe esfriar antes de servir.




Doce de leite em pedaços



Ingredientes:

1 kg de açúcar
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
3 litros de leite integral

Modo de Preparo:

Misture em uma panela grande 3 litros de leite integral, 1 kg de açúcar e 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio.
Leve para cozinhar e, assim que ferver, reduza o fogo. Cozinhe por mais 3 horas e 45 minutos, mexendo de vez em quando, ou até obter uma mistura cremosa.
Retire do fogo e continue a mexer até a massa começar a ficar opaca.
Espalhe-a em uma superfície lisa e umedecida com água, na altura de 1,5 a 2 cm. Em seguida, corte-a, ainda morna, no formato de retângulos ou losangos.




Cocada




Ingredientes:


250 g de açúcar refinado
250 g de côco fresco ralado
100 g de leite condensado

Modo de Preparo:


Numa panela, leve ao fogo 200 g de açúcar com 60 ml de água e deixe até caramelizar levemente (dependendo da intensidade de cor que deseja dar ao doce). Adicione o côco, o açúcar restante e o leite condensado, misturando sempre com uma colher de pau até que a calda se torne espessa e em ponto de fio. Transfira para uma compoteira

e decore com cravo-da-índia. Se preferir uma versão mais firme, deixe a calda encorpar mais,despeje a mistura sobre uma superfície untada com manteiga e espere resfriar para cortar





Bolo de abóbora






Ingredientes:
1 colher (sopa) de óleo
1 xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara (chá) de leite de côco
500 g de abóbora madura picada
1/2 xícara (chá) de margarina light
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
1/2 xícara (chá) de amido de milho
Modo de Preparo:


Coloque em uma panela, a abóbora, o leite de côco e o açúcar. Deixe cozinhar, em fogo baixo, por 40 minutos, ou até a abóbora estar bem macia. Mexa bem para ela ficar cremosa. Retire e, assim que esfriar, misture a margarina. Peneire em uma tigela a farinha de trigo, o amido de milho
e o fermento. Despeje o creme de abóbora e misture bem, mas sem bater.Unte uma forma para pudim,de 1,5 litro com o óleo e polvilhe com o açúcar cristal. Despeje a massa e coloque para assar em forno médio, pré-aquecido, por 45 minutos, ou até que, enfiando um palito, ele saia limpo.




Bolo de fubá




Ingredientes:
3 ovos
2 xícaras (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de fubá
1 xícara (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de leite
1 xícara (chá) de óleo
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
1 colher (sobremesa) de sementes de erva-doce

Modo de Preparo:

Coloque no liquidificador os ovos, o leite, o óleo, o açúcar,
o fubá e a farinha de trigo. Bata bem até obter uma mistura homogênea. Junte o fermento e as sementes de erva-doce e misture sem bater. Unte e enfarinhe uma forma com furo no meio e despeje a massa. Leve ao forno preaquecido em temperatura média (200oC) até dourar,ou até que,enfiando um palito no bolo ele saia limpo. Desenforme o bolo ainda morno e, se preferir, salpique açúcar e canela antes servir.




Broa de fubá





Ingredientes:
1 e 1/2 xícara (chá) de fubá
1 xícara (chá) de farinha de trigo
1/2 xícara (chá) de açúcar
1 pitada de sal
1 xícara (chá) de manteiga
1 xícara (chá) de leite
6 ovos

Modo de Preparo:


Peneire numa tigela 1 xícara (chá) de fubá com a farinha de trigo, o açúcar e o sal. Reserve. Misture numa panela a manteiga (reserve 1 colher de sopa), o leite e 1 xícara (chá) de água.Leve ao fogo e, assim que ferver,junte de uma vez os ingredientes secos. Mexa vigorosamente e cozinhe por 20 minutos, sem parar de mexer, até obter um mingau encorpado. O fubá deve ser bem cozido como se fosse polenta. Retire do fogo, despeje numa tigela e deixe esfriar por 15 minutos, mexendo de vez em quando. Ligue o forno

à temperatura média. Em seguida, adicione os ovos, um a um, mexendo sempre a cada adição. Continue mexendo vigorosamente até a massa ficar macia e um pouco mole (não é ponto de enrolar). Umedeça uma tigela de 10 cm de diâmetro (do tamanho de 1 xícara de chá) e polvilhe com parte do fubá restante. Coloque, na tigela, um pouco mais de 1 colher (sopa) da massa. Rode a tigela para formar as broinhas e disponha-as numa assadeira untada com a manteiga reservada. Deixe uma distância de 2 cm entre as broas. Repita a operação até terminar a massa.Sempre que necessário,umedeça um pouco a tigela e coloque mais fubá. Leve ao forno por 25 minutos, ou até as broinhas dourarem. Retire do forno e sirva quente.






Doce de batata-doce






Ingredientes:



2 kg de batata-doce
açúcar
leite puro de 1 côco

Modo de Preparo:

Cozinhe, descasque e passe as batatas pelo espremedor. Meça as xícaras de massa de batata para juntar a mesma quantidade de açúcar. Misture e leve ao fogo, mexendo até começar a largar da panela; acrescente o leite de côco e mexa até dar o ponto em que, ao virar a panela, o doce se desprenda completamente. Ponha em compoteira.




Curau de milho





Ingredientes:
12 espigas de milho verde
8 xícaras de leite
2 e 1/2 xícaras de açúcar
pitada de sal

Modo de Preparo:


Lave muito bem as espigas de milho, rale-as em um ralador cuidadosamente e, depois, raspe bem os sabugos com a ajuda de uma colher. Coloque em uma tigela e acrescente
o leite. Misture bem e deixe a massa descansar por 10 minutos. Coloque em um pano bem limpo ou peneira fina e esprema muito bem. Unte uma forma de bolo (com furo no meio) com um pouco de óleo de canola. Coloque em uma panela o caldo de milho e acrescente o açúcar, misture
bem e leve ao fogo cozinhando lentamente até que o curau engrosse, cerca de 40 minutos. Despeje a mistura na forma untada e deixe esfriar. Leva à geladeira e sirva, salpicando com um pouco de canela.




Se você quer receitas diet das delícias do arraiá encontra aqui



Bom proveito!
.

Origem da Festa Junina






Resultado de imagem para festa junina




Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica que surgiu em função das 
festividades ocorrem durante o mês de junho. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e, portanto, seriam em homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada de Joanina.
De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).
Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.
Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas.
Festas Juninas no Nordeste 
Embora sejam comemoradas nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura.
Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas.
Comidas típicas 
Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos.
Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.
Tradições
As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.
Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.
Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.

link
Veja mais aqui.

terça-feira, maio 10, 2016

10 anos do Rosa 147

.

Hoje, 10 de maio de 2016, o Rosa147 está fazendo 10 anos.
Foram anos de alegrias, aprendizado, amizades, companheirismo. Algumas amizades se consolidaram e estão até hoje em contato pelas redes sociais. Outras, muito queridas daquela época, mesmo estando nas redes sociais, se distanciaram. Outras não estão lá, mas seguido aparecem aqui, mesmo o blog estando tão parado.
Agradeço a todos pelas visitas e comentários. Agradeço à Ana, do Roccana, razão do Rosa 147 existir.

Meu abraço carinhoso a todos.



Este foi o meu primeiro post:


Hoje resolvi começar a escrever alguma coisa no meu blog, que iniciei para poder postar no da Ana.
Vou colocar aqui o que leio e gosto, já que não sou das letras, sou mais das artes...como arteira, não como artista.
O Tabajara recebeu este texto (desconheço o autor) como recordação de um casamento em que ele levou a noiva na fubica (chamamos de fubica nosso Ford 29) para igreja. Não conheço o casal, a Adriana e o Alessandro. Casaram dia 22/04/2006.



AFINIDADE


A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
E o mais independente.
Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade, qualquer reencontro
retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto
no exato ponto em que foi interrompido.

Afinidade é não haver tempo mediando a vida.
É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo para o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.

Ter afinidade é muito raro.
Mas quando existe não precisa de códigos
verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento,
irradia durante e permanece depois que
as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar
a um não afim, sai simples e claro diante
de alguém com quem você tem afinidade.

Afinidade é ficar longe pensando parecido a
respeito dos mesmos fatos que impressionam comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavras.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento...

Afinidade é sentir com. Nem sentir contra,
nem sentir para, nem sentir por.
Quanta gente ama loucamente,
mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado,
não para eles próprios.

Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar, ou, quando falar,
jamais explicar: apenas afirmar.

Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.

Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças.
É conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas,
quanto das impossibilidades vividas.

Afinidade é retomar a relação no ponto em que
parou sem lamentar o tempo de separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser,
cada vez mais a expressão do outro sob a
forma ampliada do eu individual aprimorado.
Artur da Távola
(Na época eu não sabia procurar o autor na internet)




Desculpem o post tão longo, mas voltei a ler alguns posts antigos e fiquei muito emocionada, principalmente com os comentários feitos no primeiro ano do blog.
Se tiver paciência leia até o fim, você pode estar aí.







Adriana disse...
Rosa , parabens...deixei para voce no meu blog um beijo especial...vai la...
beijos carinhosos do outro lado do oceano
formiguinha disse...
Parabéns pelo aniversário do teu novo filho, seu blog.
Espero poder participar de muitos aniversários dele!
Quanto as proezas dos teus netos, adoraria ler e publicar algumas.
bjs
Clélia Riquino disse...
Rosa, cor-de-rosa, 147

Estou tentando encontrar seu presente de aniversário do blog...
Que este seja o 1° de muitos anos, blogando!

bjos,
Clé
cida disse...
Oi Rosaaaaaaaaaaaaaaaa.
Que o teu blog continue te estimulando mais e mais nas artes, que continues nos presenteando com esse teu carinho e que venham tantos outros anos!!!!!!

Que legal ver que teu blog caminhou por outras bandas, além da proposta inicial. Assim é que tem quer ser, penso, a gente tem uma idéia, mas ela pode se adaptando ao longo do percurso.

Gosto de te visitar aqui e no orkut, por enquanto, mas logo, logo estarei chegando de mala e cuia em Saint Mary.Me aguarda!!!!!

Beijão e parabéns!!!!!!!!!!
marcia disse...
Rosa, há muitos méritos neste blog, mas o maior deles está na blogueira.
a blogueira que não aceita limites, a que dá vazão a sua curiosidade pelo mundo, a que está aberta às pessoas, a que está disposta à interlocução com os outros.
a blogueira pós-moderna que topou viver uma parte importante de sua personalidade aqui.

o teu carinho, o teu humor, a tua inteligência e a tua capacidade de perceber sentimentos importantes fazem de ti uma pessoa bem mais do que especial.

grande beijo.
cida disse...
Voltei só para registrar o 2332!!!!!!!!!!

Hoje é o meu dia de sorte com os palíndromos!!!!!!!

beijos e obrigada pela dica desse presente!
Rosamaria disse...
Adriana
Muito obrigada, cosquirídia!
A-do-rei!!!


formiguinha
Obrigada! Amei o teu blog!


Clélia
Tu não fazes idéia do presente que me deste!


Cida
Obrigada, guria, vou te esperar. E que não seja conversa pra boi dormir! Venha, palindromeira!


Márcia
Obrigada, pinta! Vocês é que me fazem assim por serem tão especiais!


Bjão procês.
Lu disse...
Bah guria, mas tu tá craque no layout do blog heim??? Adoro passear por aqui e "comer com os olhos" estas tuas delícias. Quando eu crescer quero cozinhar que nem tu....hehehehehe. Acho que deverá ser numa próxima encarnação, pois nesta acho que perdi a chance....hehehe. Bjus e Parabéns!!!
Sean Hagen disse...
*



a marcia roubou muito do que eu queria dizer, mas tudo bem.

sabe por que eu venho aqui sempre e sempre quero voltar?
porque vc nos diz a cada post, a cada resposta, que a vida valhe a pena.

e que só vive de verdade quem estiver abero a isso.

tenho muito a aprender com a tua visão de mundo. e com tua capacidade de abrir os braços pra receber quem quer que seja.

beijo enorme, tamanho da minha admiração por ti, 'mami'.




*
clarice disse...
Rosa, falar do teu blog é falar de ti.Além de primas de sangue, somos grandes amigas, quer dizer , nos conhecemos de tudo o sempre.Mas tu me surpreende sempre, cada dia uma Rosa diferente,
sensível,compreensiva e com uma capacidade enorme de amar seja via internet seja,com aquele abraço carinhoso que só tu sabe dar.Agora, a Rosa de garra, de lutar para vencer desafios, de enfrentar, de batalhar pelo que acredita veio com a maturidade.
Guria, tu é que vinho !!!!
Que os anjos te conserve e que todo dia a gente entre aqui e se surpreenda!!!!
Bjos !
Te amo!!!!
Rosamaria disse...
Lu
não perde a chance, guria! aprende antes de crescer que é muito bom.


Sean
claro que a vida vale a pena!
depois de tudo que já vivi, ter o privilégio de poder conviver aqui com vcs já é um motivo!
minha admiração por ti é do mesmo tamanho, filho!


Clarice, minha alma gêmela!
tu sabes das coisas! demorei a entrar na guerra, mas entrei pra ganhar.

nosso amor é tão grande e tão grande, que nunca termina, lalarilala


Bjão procês.
Clélia Riquino disse...
Apesar de não seres morena, Rosa, aí vai, um pouco de Caymmi (na deliciosa voz de Emílio Santiago), pra você:

Rosa Morena
Dorival Caymmi

Rosa morena,
Onde vais, morena Rosa?
Com essa rosa no cabelo
E esse andar de moça prosa
Morena, morena Rosa
Rosa morena, o samba está esperando
Esperando pra te ver
Deixa de lado esta coisa de dengosa
Anda, Rosa, vem me ver
Deixa de lado esta pose
Vem pro samba, vem sambar
Que o pessoal ‘tá cansado de esperar
Ô Rosa, que o pessoal ‘tá cansado de esperar
Morena Rosa, que o pessoal ‘tá cansado de esperar
Viu Rosa, que o pessoal ‘tá cansado de esperar

bjo,
Clélia
Clélia Riquino disse...
obs.: basta clicar no título da música, pra ouvi-la...
Rosamaria disse...
Clélia

vou te contar um segredo: olha minhas fotos de jovem, eu era morena, só fiquei loura pra não ficar velha, hehehe!

obrigada, querida!

bjão.
Clélia Riquino disse...
Então, sem querer, acertei!
Zeca La-Rocca disse...
Bah, RM, perdi o dia do niver!

recebes os parabéns mesmo atrasado?

PARABÉNS!!!

muito bom te ler, saber das tuas coisas... não venho todos os dias, mas sempre passo por aqui, tu sabes.

bjão grande e muitossss anos maissss
Graziana disse...
parabéns querida!
adoro teu blog, adoro vc!
beijos
Rosamaria disse...
Zeca

recebo, sim, obrigada!
eu tb adoro te ler!


Grazi

obrigada, cosquirídia! tu és correspondida!


bjão procês.



 
^