sexta-feira, maio 11, 2007

Pai



Saudade do Pai

Lembro-me ainda, pai, daquelas manhãs em que sentia seu beijo sobre a minha testa,
suas mãos alisando meus cabelos, ajeitando os cobertores e depois saindo do meu quarto
nas pontas dos pés. Eu fingia que dormia, pai.
Como era bom ouvir seus passos vindo para perto da minha cama ...
sentir que seus olhos me fitavam com tanto amor (quase devoção).
Docemente eu adormecia, sonhava com anjos vestidos de todas as cores
e todos eles tinham os rostos iguais ao seu.
Eu acordava, ainda sob a magia do seu toque, do seu carinho,
da sua presença angelical e protetora.

Você sempre me pareceu o mais bonito de todos os homens, o mais inteligente,
o mais sábio, o mais feliz só por me saber no mundo ...
eu, sua semente germinada, seu fruto favorito, sua flor mais bem cuidada.

Lembro-me ainda, pai, das brincadeiras no quintal,
dos safanões pelas minhas travessuras, do seu remorso depois.
Sabe, pai?
Eu me aproveitava dos seus remorsos para pedir coisas que queria,
só para sentir que, apesar das minhas traquinagens,
você me amava acima de tudo e sempre me perdoava.
Até acabava achando graça ... não era assim, pai?

Em meio a essas lembranças, sinto vontade de partir com você para a
"Terra do Nunca Crescer", onde as lágrimas são de manha, de mimo,
de dengo ... que vontade, pai!

Hoje sou fruto maduro, uma planta crescida, uma flor toda aberta num jardim
onde passa tanta gente, pai!

Olhando toda essa gente, imagino que todas (ou quase todas) sentem-se como eu.
Isso me consola e faz-me seguir adiante, faz-me ir ao encontro da felicidade,
que você sempre me assegurou que existe.

Não estou infeliz, pai.
Apenas sinto saudade ... sinto falta de você ao meu lado como antes.
Eis porque agora abro-lhe meu coração, minha alma e todo meu sentimento.

Nenhum outro homem marcará tanto a minha vida como você já marcou.
Ninguém invadirá este lugar em mim onde para sempre você há de morar
e onde sempre morou.

Pai, abrace as minhas lembranças e todo o meu amor.



Hoje está fazendo 35 anos que ele se foi.

7 comentários:

clarice disse...

Lindo, Rosa!!
Bjos

Zeca La-Rocca disse...

Lindo mesmoooo!!!

Sempre lembro do tio Zeferino com muito carinho. Inevitável não lembrar dos passeios de carro aos domingos. E qndo assisto aos jogos do Grêmio, então!?

bjossss

formiguinha disse...

Que lindo o que tu escreveste.
Ele, com certeza, deve estar muito orgulhoso da filha que tem.

Luci Lacey disse...

Oi Rosa

Nossa este texto me emocionou.

Meu pai tambem foi maravilhoso e tenho o maior orgulho de ser filha dele e tambem esta com Deus.

Beijinhos

Luci Lacey disse...

Oi Rosa

Vim deixar meu beijinho pelo dia das maes.

Tenha um bom Domingo

Anônimo disse...

Rosinha, tens que colocar estas palavras em um quadro, mui lindas. Beijão, Flávio

Ana disse...

Realmente são doces lembranças...
E elas ficam guardadas com todo nosso amor, até transbordarem em forma de palavras ou de lágrimas, cheias de saudades!
Adorei, Rosinha!
Beijos!

 
^