quarta-feira, maio 31, 2006

Martha Medeiros

Leio sempre as crônicas da Martha Medeiros. A de hoje tem uma mensagem que acho de muita importâcia, principalmente para a juventude.
Estou sempre em campanha contra o cigarro.


Martha Medeiros
31/05/2006
Dia Mundial sem Tabaco
Para que serve um Dia Mundial de qualquer coisa? Para provocar uma reflexão, e isso não é pouco se levarmos em consideração que ninguém anda muito a fim de pensar em nada. Pois hoje é o Dia Mundial sem Tabaco, e é claro que vem aí todo um discurso sobre os riscos causados pelo fumo. Uma cantilena necessária, ainda que as pessoas saibam muito bem o veneno que estão tragando. Seria hoje um bom dia para romper com esse hábito? É um dia excelente, clássico. Pare, se for capaz. Mas tem uma coisa ainda mais importante e muito mais fácil para se determinar hoje: não começar a fumar! Os números são alarmantes: 100 mil jovens começam a fumar todos os dias. Nesta quarta-feira, no mundo todo, tem 100 mil garotos e garotas acendendo seu primeiro cigarro. Amanhã serão outros 100 mil. E sexta, mais 100 mil. Como é que as pesquisas chegaram a esse número, eu não sei, mas a verdade é que tem gente à beça no planeta e 100 mil pode ser um chute bem aproximado. A gente sabe por que um fumante tenta parar, mas o que faz um não-fumante começar? Até algumas décadas atrás, começava-se a fumar por auto-afirmação. Todo adolescente sonha em crescer de uma vez, parecer mais maduro do que é - e mais charmoso. O importante era ter Charm, alguém lembra? E levar vantagem em tudo. E sentir um raro prazer. "Hollywood, o sucesso!" Por muito tempo, o cigarro foi associado a aventura, beleza, classe, virilidade, erotismo. Com espinhas na cara não se tem nada disso, mas dá pra comprar uma carteira no boteco da esquina e bancar o tal. Dei minha primeira tragada aos 13 anos e o cigarro me enjoou tremendamente, mas não me deixei abater, eu também queria ter charme, então insisti nessa insensatez durante algum tempo, até que comecei a dar vexames públicos, passando mal de verdade. Descobri que era preferível abrir mão do charme e ter minha reputação preservada. E o meu pulmão também. Foi litigioso: eu e ele nos abandonamos para nunca mais. Com o fim da propaganda e da constante associação do cigarro com pessoas vitoriosas, fumar perdeu status, passou a ser considerado uma fraqueza humana. Hoje os adolescentes se auto-afirmam de outras maneiras - através da roupa, do esporte, da ficação, dos blogs e, tendo a cabeça fraca, através de pichações, bebedeiras e rachas. Observo diariamente alunos em portões de escolas e ninguém fuma. Quando eu estudava, bastava colocar o pé pra fora do colégio e quase todos os alunos acendiam um cigarro, se achando muito espertos. Os espertos, hoje, estão limpos. E mais bem informados. Sabem que, quando a nicotina entra na vida de alguém, é pra ficar. Desgrudar-se é uma dificuldade. Morre-se por ela. O cigarro dos outros nunca me aborreceu, compreendo perfeitamente que é um amor verdadeiro e difícil de largar. Quem estiver disposto, hoje é um bom dia para tentar parar, mas se não conseguir, paciência, há hábitos piores nesta vida. Mas, quem nunca fumou, não escolha hoje pra começar. Nem amanhã, nem depois. Começar é que é estupidez. Começar é que não se explica.

Um comentário:

Vários disse...

Ana disse...
É verdade! Cigarro já foi sinônimo de charme! Quanta ingenuidade!
Como meus pais fumam 2 carteiras por dia (cada um), acho que as gerações seguintes vão se manter afastadas! Todo mundo odeia cheiro de cigarro, por aqui!
Espero que a reflexão funcione e as pessoas se concientizem!

Thursday, June 01, 2006 3:29:58 PM


clarice disse...
Convenhamos.....É um raro prazer!!!!!!!!!!!As consequências a gente vê depois!
Estou me referindo ao prazer de postar no teu blog!(rsss)
Bjos

Friday, June 02, 2006 2:25:41 PM

 
^