terça-feira, agosto 25, 2009

A flor de Florbela e Marcos Assunção

.


Florbela Espanca, nascida Flor Bela Lobo, (Vila Viçosa, 8 de dezembro de 1894 — Matosinhos, 8 de dezembro de 1930) foi uma poetisa portuguesa, precursora do movimento feminista em seu país, teve uma vida tumultuada, inquieta, transformando seus sofrimentos íntimos em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização e feminilidade.

Filha de Antónia da Conceição Lobo, empregada de João Maria Espanca, que não a reconheceu como filha. Porém com a morte de Antónia em 1908, João e sua mulher Maria Espanca criam a menina. O pai só reconheceria a paternidade muitos anos após a morte de Florbela. SAIBA MAIS !!!!


Esta história vocês já conhecem, porque até blogagem coletiva já fizemos para ela. Mas um domingo destes, vendo o Programa Sr. Brasil, apresentado e dirigido por Rolando Boldrin, na TV Cultura, em que o Marcos Assunção se apresentou, fiquei encantada com esta música.

..


Marcos Assunção fez um CD com músicas feitas em cima de poesias de Florbela Espanca, como ele mesmo explica logo abaixo. E se alguém quiser comprar o CD é só entrar no site dele, que também tem um blog.



“A Flor de Florbela” é o resultado de um mergulho de três anos na obra da poetisa portuguesa Florbela Espanca , que se caracteriza por uma efervescência de sentimentos tão comuns a todos nós – amor, dor, tristeza, solidão, melancolia, erotismo, ternura e desejo de felicidade. Seu objetivo não é somente divulgar seus poemas mas, acima de tudo, mostrar a essência de uma mulher que escrevia de uma forma muito pessoal e com uma genialidade ímpar. Nos 17 poemas selecionados e musicados (ao todo, foram 24 nesses três anos de pesquisas), procurei manter-me fiel à arte de Florbela, reproduzindo quase todas as suas palavras. Na pesquisa por arranjos que alcançassem a sonoridade que a poesia de Florbela exige, e integrando-a à melodia, mesclei instrumentos barrocos, eruditos e renascentistas. Desde viola da Gamba, oboé, fagote, clarinete e harpa – não muito comuns no dia a dia – até violino, viola, violoncelo, baixo acústico, gaita, flauta, banjo, bandolim, percussão, bateria, órgão hammond, e violões de aço, de nylon, 12 cordas, dobro, e slide. Pela primeira vez, fiz os arranjos de um disco meu, juntamente com Francisco Falcon, que também dividiu comigo a produção e a direção musical.

.

4 comentários:

evipensieri disse...

Oi Rosa.

Também participei dessa blogagem coletiva. Eu adoro a Florbela Espanca.
Não sabia desse CD. Vou procurar saber mais.

Bjs.
Elvira

MARCOS ASSUMPÇÃO disse...

Oi Rosa, obrigado pelo carinho em postar sobre meu mais recente trabalho e, confesso, o que mais me encanta, pois assim como você e muitos outros, também sou fã de Florbela. Um grande beijo carinhoso a todos os "Florbelianos" que por aqui passam e outro especial para você. Obrigado mais uma vêz!!!!!!!!!!

Ângela Coelho disse...

Oi Rosa! A Letícia fez uma homenagem a Florbela com outras poetas gaúchas em Porto Alegre há uns anos atrás; minha filhota ficou uma legítima portuguesa.kkkkk
As poesias ficaram lindas musicadas pelo Marcos.
Beijos no coração de vocês.

tita coelho disse...

Rosinha eu sou apaixonada por Florbela :) Tenho uma amiga que declama Florbela vestida como ela... É um luxo de bonito! Como minha mãe disse... Faz algum tempo em conjunto com essa amiga eu e outras poetas fizemos uma homenagem para poetas portuguesas kkkkkkk Eu fui Sophia de Melo :) Ficou bem legal!

Beijos menina bom final de semana

 
^