sábado, outubro 11, 2008

Dia Nacional de combate à obesidade

.


A obesidade,
doença crônica caracterizada pelo exagerado acúmulo de gordura a ponto de comprometer a saúde, é a doença do século XXI. Considerada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) uma epidemia global, a obesidade deixou de ser uma preocupação estética e se tornou um problema de saúde pública.
Ela é a conseqüência do excesso de ingestão alimentar e uma redução do gasto energético correspondente a essa maior ingestão. O aumento da ingestão também pode estar associado à modificação de sua qualidade, bem como o gasto energético pode estar relacionado a doenças em que a obesidade é decorrente de distúrbios hormonais.
Alguns médicos apontam que a obesidade genética abrange 5% dos casos. Outros já acreditam que esse valor chega a 30%.

O excesso de gordura corporal não provoca sinais e sintomas diretos, salvo quando atinge valores extremos. Independente da severidade, o paciente apresenta importantes limitações estéticas, acentuadas pelo padrão atual de beleza, que exige um peso corporal até menor do que o aceitável como normal.

Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo ser algumas vezes graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando a longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa superficial e profunda (varizes) com úlceras de repetição e erisipela.

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças ou distúrbios que podem ser:


Doenças Distúrbios
Hipertensão arterial Distúrbios lipídicos
Doenças cardiovasculares Hipercolesterolemia
Doenças cérebro-vasculares Diminuição de HDL ("colesterol bom")
Diabetes Mellitus tipo II Aumento da insulina
Câncer Intolerância à glicose
Osteoartrite Distúrbios menstruais/Infertilidade
Coledocolitíase Apnéia do sono

Assim, pacientes obesos apresentam severo risco para uma série de doenças e distúrbios, o que faz com que tenham uma diminuição muito importante da sua expectativa de vida, principalmente quando são portadores de obesidade mórbida.


A forma mais amplamente recomendada para avaliação do peso corporal em adultos é o IMC (índice de massa corporal), recomendado inclusive pela Organização Mundial da Saúde. Esse índice é calculado dividindo-se o peso do paciente em kilogramas (Kg) pela sua altura em metros elevada ao quadrado (quadrado de sua altura) (ver ítem Avaliação Corporal, nesse site). O valor assim obtido estabelece o diagnóstico da obesidade e caracteriza também os riscos associados conforme apresentado a seguir:


IMC ( kg/m2) Grau de Risco Tipo de obesidade
18 a 24,9 Peso saudável Ausente
25 a 29,9 Moderado Sobrepeso ( Pré-Obesidade )
30 a 34,9 Alto Obesidade Grau I
35 a 39,9 Muito Alto Obesidade Grau II
40 ou mais Extremo Obesidade Grau III ("Mórbida")

Conforme pode ser observado, o peso normal, no indivíduo adulto, com mais de 20 anos de idade, varia conforme sua altura, o que faz com que possamos também estabelecer os limites inferiores e superiores de peso corporal para as diversas alturas conforme a seguinte tabela :


Altura (cm) Peso Inferior (kg) Peso Superior (kg)
145 38 52
150 41 56
155 44 60
160 47 64
165 50 68
170 53 72
175 56 77
180 59 81
185 62 85
190 65 91




No Faça as pazes com a balança, de Roberta Alves, uma ex-gorda que fala sobre a experiência adquirida no processo antes, durante e após o emagrecimento, somada a constantes estudos, encontramos farto material de qualidade.


Este é o último post da Roberta:




Peço que faça as seguintes perguntas a você e responda sinceramente, independente de tudo e de todos:

- Você realmente quer emagrecer?
Se a resposta for sim, então responda:
- Qual o motivo (ou quais) de você permanecer gordo? O que o impede de emagrecer definitivamente?
- O que perde continuando gordo?
- O que ganhará sendo magro?
- Quantos quilos você quer ter?
- Como imagina a sua vida sendo magro? Quais são os benefícios?

Ao fazer essas perguntas a si mesmo, certamente terá respostas valiosas e fundamentais ao seu processo de emagrecimento definitivo.

Quando está em uma situação que deseja mudar, precisa saber muito bem o que é bom nela (se é que há) e o que não é, para se permitir ficar com o que é útil e descartar o que o desagrada e/ou prejudica.

Precisa saber onde está e para onde quer ir, de maneira clara e objetiva, senão poderá se perder no meio do caminho. Então, saiba o que já tem e pode ser útil no seu processo de emagrecimento (nem que seja a experiência de várias tentativas em emagrecer) e o que lhe falta (nesse aspecto conte comigo para o que eu puder ajudar), para assim chegar ao seu objetivo de uma vez por todas.





.

.


Pesquisa feita aqui, aqui e aqui.

Este post faz parte da blogagem coletiva proposta pelo blog Fique INforma.


UPDATE:

Achei importante colocar aqui no post o comentário da Roberta, do blog que indiquei acima:
"Parabenizo-a por divulgar informações sobre obesidade, tema tão importante. E gostaria de deixar uma mensagem para aqueles que desejam emagrecer. Saibam que é totalmente possível eliminar os quilos a mais comendo de tudo e de maneira equilibrada, já que nada engorda e nada emagrece no que se refere à comida. Mas, para emagrecer definitivamente o benefício de ser magro deve ser maior do que o de continuar gordo. Pensem nisso."

Obrigada, Roberta.

.

9 comentários:

Grace Olsson disse...

Rosa, blogagem interessante.Pora qui,vejo crianças muito obesas.Meu enteado briga com a b alança. e eu louca para engordar um pouco.
Parabéns pelas infromações.
bjs e dasi felzies

Luci Lacey disse...

Rosa

Vc arrasou, execelente seu post.

Ai ai ai , e tao bom comer, mas ....

Beijinhos e sucesso na blogagem que com certeza ja esta sendo.

disse...

Pena não ter dabido dessa blogagem antes e com devido tempo.

Minha filha vai completar 1 ano dia 24 de outubro próxima que fez redução de estômago.
Depois de anos e anos passando por n's preconceitos, resolveu criar coragem e fazer a cirurgia.
Decisão tomada com muita firmeza.
a coragem que a pessoa precisa ter e muito grande, pois o sofrimento que uma pessoa obesa passa não é fácil. O que mais doí é o preconceito.
Hoje ela é realmente uma pessoa feliz e realizada. Conseguiu realizar seu maior sonho, o de se comissária de bordo. E quando olha para traz e vê o quanto sofreu, nem acredita que teve tanta coragem.

Postagem perfeita minha querida Rosa Maria, parabéns por aderir a causa tão bela.

Bom fim de semana!

Rô!

tita coelho disse...

Teu post ficou perfeito Rosa, muito informativo e educativo! Meu filho já foi considerado obeso, hoje controlo a alimentação de uma maneira saudável, ele melhorou!
Beijossssssssss

Roberta Alves disse...

Olá, Rosamaria

Parabenizo-a por divulgar informações sobre obesidade, tema tão importante. E gostaria de deixar uma mensagem para aqueles que desejam emagrecer. Saibam que é totalmente possível eliminar os quilos a mais comendo de tudo e de maneira equilibrada, já que nada engorda e nada emagrece no que se refere à comida. Mas, para emagrecer definitivamente o benefício de ser magro deve ser maior do que o de continuar gordo. Pensem nisso.

Forte abraço,

Roberta Alves
www.sejamagro.blogspot.com

Sonia H. disse...

Rosa,
Excelente postagem. Eu sou do grupo que luta contra balança. Mas graças a Deus não cheguei nem pretendo chegar ao patamar de obesidade como no vídeo apresentado aqui.
Entretanto, estar acima do peso é sempre um incômodo, não é.
Beijos e parabéns pelas informações!

Velazquez disse...

Ainda bem que estou de bem com a balança, muito embora queira emagrecer 3 kg, nem sei pra que...acho que porque sempre fui muito magrinha.
Bjus

Blog do Beagle disse...

Obrigada pelo puxão de orelha. Estou acima do peso e com muita preguiça de me exercitar e queimar o excesso. Bjkª. Elza

Denise Carceroni disse...

Seu post já está no Infobeso. Sua participação na campanha foi muito importante, o blog está aberto para novos posts.
Obrigada pela contribuição!

Um abraço

Profª Esp. Denise Carceroni

 
^