sábado, março 22, 2008

Dia da cachaça - a água que passarinho não bebe

.




HISTÓRIA DA CACHAÇA
Coleção e texto: Luiz Edmundo Costa

Aqueles que se ligam à cachaça de uma forma ou de outra, por fabricá-la, por vendê-la ou por bebê-la, já devem Ter ouvido aquela história.

“Nosso Senhor Jesus Cristo, quando caminhava por uma estrada, morrendo de sede, debaixo de um sol causticante, avistou um canavial. Protegendo-se do sol entre sua folhagem, refrescou-se do calor. Depois de descascar uma cana, chupou alguns gomos, saciando sua sede. Ao ir embora, para seguir viagem, estendeu suas mãos por sobre o canavial, abençoando-o desejando que das canas o homem haveria de tê-las sempre boas e doces. Em um outro dia, o diabo, passando pela mesma estrada, foi dar no mesmo canavial. Ali parando, resolveu refrescar-se. Cortou um pedaço da cana e começou a chupar um gomo, mas seu caldo estava azedo, e quando por ele foi engolido, desceu garganta abaixo queimando-lhe as ventas. Irritado, o diabo prometeu que da cana o homem tiraria uma bebida tão forte e ardente quanto as caldeiras do inferno”.
“Daí surge o açúcar abençoado por Nosso Senhor e a cachaça amaldiçoada pelo diabo".




A origem do nome “Cachaça” é desconhecida, mas alguns acreditam que ela vem do castelhano “Cachaza” que significa vinho de borra. Outros acham que é de origem africana. Mas Silveira Bueno em seu Dicionário Escolar da Língua Portuguesa diz: “Cachaça era sinônimo de porco (cachaço) e de porca(cachaça). Como a carne fosse dura, molhavam-na com aguardente para amaciá-la. Passando assim, o nome de porca (cachaça) a significar aquela aguardente que hoje todos conhecemos com o nome de cachaça”.

Desde que a cachaça é cachaça, sempre teve o nome de cachaça. Mas os que bebem, gostam de chamá-la de um jeitinho especial. Tem aqueles que batizam a cachaça com sinônimos: aca, aguardente, birita, cana, caninha, calibrina, cumbé, caiana, caxixi, jinjibirra, marato, monjopina, parati, pinga, tafia, tiquirá, uca, etc.









































A cachaça é o caldo de cana fermentado e destilado. A invenção da cachaça teria sido por acaso, no Brasil colonial e açucareiro. No ano de 1637, o naturalista alemão Georg Marcgrave, da comitiva do holandês Mauricio de Nassau, levou a Pernambuco a primeira caldeira para a produção de melado de cana. A borra adocicada que se concentrava sobre a garapa borbulhante era removida pelos escravos com uma escumadeira e jogada numa tábua e ali ela se fermentava. Um escravo teria experimentado e aprovado o subproduto etílico. Não tardou para que a caninha passasse da senzala à casa-grande do engenho.



“Queiram ou não queiram seus adversários, a cachaça é: Uma utilidade pública brasileira; dado histórico nacional e remédio que não se compra nas farmácias e costuma produzir muito mais efeito que as drogas sofisticadas, com suas bulas herméticas. Não lhe faço apologia, de que não precisa. Registro sua presença cultural, seu fascínio sobre a mente do povo”.
Carlos Drummond de Andrade



A cachaça tem muitos benefícios: serve para esquentar, para esfriar, para abrir o apetite e enganar o estômago quando está com fome, dá coragem, alegria, mata a tristeza, afoga as mágoas e a saudade, melhora a voz, não deixa as comidas gordurosas fazerem mal, evita resfriados, além de outros benefícios medicinais, como o uso em inalações e massagens.









Das marcas conhecidas já provei a Ypióca, mas nunca vou esquecer uma azulzinha que tomei numa festa em Ivorá, uma cidade do interior do RS, perto de Santa Maria.





Também é usada, além de batidas e bebidas, na culinária. Eu costumo usar em alguns recheios de bombons, mas aqui vão algumas receitas:




Macarrão com molho cremoso

Ingredientes


1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de azeite 1 cebola picada 350g de tomate 1 xícara de creme de leite ¼ xícara de chá de cachaça ¼ de colher (chá) de pimenta vermelha em pó 500g de macarrão ¼ xícara de parmesão ralado 1 colher (sopa) de cebolinha picada

Modo de Preparo

Retire as sementes e corte os tomates.
Em uma panela grande derreta a manteiga com o azeite em fogo médio. Acrescente a cebola e frite até dourar, adicione os tomates e cozinhe até quase não sobrar líquido na panela, mexendo sempre, por 25 minutos. Adicione o creme de leite, a cachaça e a pimenta vermelha, ferva até engrossar o molho, aproximadamente 25 minutos. Tempere com sal a gosto e pimenta (o molho pode ser preparado 1 dia antes e conservado em geladeira). Numa panela grande cozinhe o macarrão em água com sal, mexendo as vezes até que ele fique macio, mas firme. Escorra. Depois de escorrido, coloque o macarrão em uma travessa. Esquente o molho em fogo brando e despeje sobre o macarrão. Salpique o parmesão e a cebolinha e sirva.
Receita publicada na revista Cachaça Brasil














Peito de frango recheado com ervas e alho ao molho de cachaça com estragão

Chef Sérgio Arno
Restaurante La Vecchia Cucina

Ingredientes do frango
• 1 peito de frango inteiro com pele e asa
• 1 colher (sopa) de alecrim
• 1 colher (sopa) de sálvia
• 1 colher (sopa) de manjerona
• 1 colher (sopa) de tomilho
• 6 dentes de alho
• 2 colheres (sopa) de manteiga
• Sal e pimenta a gosto

Ingredientes do molho
• 1/2 cebola picada
• 1/2 copo de vinho branco
• 1/2 copo de caldo de carne
• 1/2 copo de cachaça
• Sal e pimenta a gosto
• 1 colher (sopa) de estragão picado

Modo de preparo do frango

Pegue o peito de frango e abra entre a carne e a pele para colocar as ervas, o alho e a metade da manteiga. Tempere com sal e pimenta. Coloque o restante da manteiga por cima do frango e asse por 30 minutos em temperatura de 180°C.
Modo de preparo do molho

Coloque a cebola e o vinho branco para cozinhar até reduzir pela metade. Acrescente o caldo de carne e deixe reduzir pela metade. Coe e coloque para ferver novamente. Junte a cachaça, o sal, a pimenta e o estragão.




Ingredientes:

molho de Pimenta-malagueta
6 pimentas-malagueta médias sem sementes
1 dente de alho
1 cebola pequena picada
3 colheres (sopa) de azeite de oliva
3 colheres (sopa) de molho de tomate
4 colheres (sopa) de vinagre
sal a gosto

1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 cebola média cortada em pedaços pequenos
1 dente de alho em lâminas finas
1/2 xícara (chá) de cachaça
3 xícaras (chá) de feijão preto cozido
2 colheres (sopa) de salsinha picada finamente
sal a gosto
molho de pimenta-malagueta

Leve ao fogo uma panela com o azeite de oliva, a cebola e o alho e refogue até a cebola ficar macia. Acrescente a cachaça e deixe cozinhar por 10 minutos, ou até evaporar quase todo o líquido. Junte o feijão, 1 xícara (chá) de água e o sal. Assim que ferver, acerte o sal, retire do fogo e transfira para o liquidificador. Bata até obter um creme, misture a salsinha e sirva em pequenas canecas com o molho de pimenta-malagueta. Molho de pimenta-malagueta: coloque no liquidificador a pimenta, o alho, a cebola, o azeite de oliva, o molho de tomate e o vinagre e bata por 3 minutos. Transfira a mistura para uma panela, leve ao fogo baixo e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando, por 5 minutos. Acerte o sal e retire do fogo.








Costelinha de porco flambada na cachaça:


Ingredientes:

- 1 kg de costelinha de porco cortada em pedaços
- 3 dentes de alho
- 1 copo de cachaça
- ½ limão, 1folha de louro, sal a gosto
- 2 bananas d’água não muito maduras
- 4 colheres de sopa de açúcar

Na véspera, tempere a porção de costelinha com alho socado, meio copo de cachaça, limão, louro e sal. No dia, coloque-a numa panela, cubra a porção com água para em seguida leva-la a cozinhar em fogo brando.
Quando a água secar, espete um pedaço de costelinha com um garfo para ver se está macia.Caso não esteja ainda no ponto, acrescente mais água até ficar na maciez desejada. Deixe então esfriar na própria gordura, virando de vez enquanto. Reserve.

Em outra panela derreta a açúcar, acrescente um quarto de copo de água e acrescente as bananas cortadas em rodelas para caramelar.

Pronto?

Coloque a porção de costelinha, bem quente, mais a bananas carameladas numa travessa. Encha uma concha de cachaça, toque fogo nela e a derrame sobre a travessa. Sirva com angu de fubá e taioba refogada.
Receita extraída do site cachaças.com



Este post faz parte da blogagem coletiva idealizada pelo Ricardo Rayol, do JUS INDIGNATUS!







.

8 comentários:

Luci Lacey disse...

Rosa

Menuna, vc arrasou e ainda nos presentou com receitas.

Parabens

Beijinhos

vitoria disse...

K´keisto???????????kkkkkkkk...estavas inspirada Rosa...!Aproveito as receitas...quanto ao alcool sou absolutamente CONTRA,seja vinho do porto ou caipirinha...beijinhos e bom fim de semana...:)

Aninha Pontes disse...

Vixe, fiquei meio de fogo, mas confesso que aprovei as receitas.
Parecem deliciosas.
Beijos querida.

Osc@r Luiz disse...

Hahahahah!
Que baita aula sobre cachaça e suas mil e uma utilidades!
Lembrei da receita que eu postei e repostei de "Frango ao Whisky"...
Hahahahah!
Será que essas receitas dão ressaca???
Beijos, Rosa querida!

Rosamaria disse...

Luci, Vitoria, Aninha e Oscar

Que bom que vocês gostaram! Eu adorei esta blogagem!

Não tem perigo de dar ressaca, viu, Oscar!

Bjim procês.

tita coelho disse...

Rosinha minha linda!!!
Que postagem show! Se eu tivesse habilidade testatria as receitas, mas imprimi e passei para quem entende do assunto aqui em casa!!!! :)
beijos

Rosamaria disse...

Tita

Faz um esforço que consegues. Eu também não sabia cozinhar.
Bjim.

misosoafrica disse...

Nossa! o melhor post que já li!! Viva!! a cachaça é mesmo o melhor remédio para as mágoas e para viver ainda mais intensamente as alegrias. Com àgua tônica e limão eu recomendo!!

 
^